quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

viva de verdade


Ainda pior que a convicção do não e a incerteza do talvez é a desilusão de um quase. É o quase que me incomoda, que me entristece, que me mata trazendo tudo o que poderia ter sido e não foi. Quem quase ganhou ainda joga, quem quase passou ainda estuda, quem quase morreu está vivo, quem quase amou não amou. Basta pensar nas oportunidades que escaparam pelos dedos, nas chances que se perdem por medo, nas idéias que nunca sairão do papel por essa maldita mania de viver no outono.

Pergunto-me, às vezes, o que nos leva a escolher uma vida morna; ou melhor, não me pergunto, contesto. A resposta eu sei de cor, está estampada na distância e frieza dos sorrisos, na frouxidão dos abraços, na indiferença dos "bom dia", quase que sussurrados. Sobra covardia e falta coragem até pra ser feliz.

Não é que a fé mova montanhas, nem que todas as estrelas estejam ao alcance. Para as coisas que não podem ser mudadas, resta-nos somente paciência. Porém, preferir a derrota prévia à dúvida da vitória é desperdiçar a oportunidade de merecer. Pros erros, há perdão; pros fracassos, chance; pros amores impossíveis, tempo. De nada adianta cercar um coração vazio ou economizar alma. Um romance cujo fim é instantâneo ou indolor não é romance.

Não deixe que a saudade sufoque, que a rotina acomode, que o medo impeça de tentar. Desconfie do destino e acredite em você. Gaste mais horas realizando que sonhando, fazendo que planejando, vivendo que esperando porque, embora quem quase morre esteja vivo, quem quase vive já morreu.

******************************************************


Nunca desista de seus sonhos, Helena. Acredite na sua capacidade de superação, valorize seus objetivos, trabalhe para alcançá-los. Ultrapasse o "quase". Não se acostume a ele. Siga em frente. De coração aberto e alma elevada. Te amo. Amor da minha vida.

***************************************************

(Dizem que quem escreveu este texto fabuloso, filha, foi Luís Fernando Veríssimo, que eu adoro, mas ele mesmo diz que foi Sarah Westphal Batista da Silva, colunista de O Globo, em 2005)

2 comentários:

  1. Com uma Mãe dessa com certeza Helena jamais desistirá dos sonhos.Sinto muito orgulho de vc minha filha.Agradeço a DEUS por ter me dado a oportunidade de ser sua mãe.

    ResponderExcluir
  2. Concordo em gênero, número, grau e tudo o mais. Prefiro estar arrasadamente cansada como estou hoje, após um final de semana recheado de emoções intensas, do que ficar no talvez sempre, como tenho visto nas pessoas ultimamente. Por mim, viveria uma grande emoção a cada dia !

    ResponderExcluir