quarta-feira, 4 de março de 2009

pérolas de Helena


A preguiça nos dominava. É bom permitir que ela tome conta da gente de vez em quando - é bom permitir sem qualquer remorso.

Então, estávamos estirados, eu e Edu, no chão da sala, entre pepinos, uvas e pães de plástico que Helena adora espalhar para brincar de fazer compras. Devia estar bem no meio do corredor do mercado imaginário da minha garotinha, que chegou pertinho e pediu que eu me levantasse.

- Mamãe, levanta.

Respondi que estava com preguicinha, que aquela posição tava boa que só. Ela, como sempre, insistiu:

- Levanta, mamãe.

Ai, a preguiça era maior do que tudo. E a posição enroscada em Edu tava boa que só mesmo.

- Ô, filha, deixa a mamãe aqui.

Pirraceira como ela só, astuta e linda em sua medida, ela aplicou o golpe baixo:

- Levanta, meu coração...

Muitos, muitos risos!

E até hoje não faço idéia de onde ou com quem ela aprendeu a chamar os outros de "meu coração". E nem importa, afinal.

Um comentário:

  1. Ai, chantagista mirim! kkkkkkkk
    Jogar com o amor dos outros é coisa que se aprende desde criança...

    beijos em lelê.

    ResponderExcluir